A filosofia da COVID19: Cloroquina, o remédio politizado.

Posted on 14/05/2020. Filed under: Administração, Filosofia, Política | Tags:, , , |

A ciência, de uma hora para outra, virou ambiente de certezas. Não há nada menos científico do que a certeza e do que a escolha de resultados que confirmam nossos vieses.

O caso da Cloroquina (HCQ) mostra claramente a falta que faz a humildade e um senso de julgamento minimamente equilibrado para que o diálogo traga bons resultados práticos nessa Pandemia.

Antes de continuarmos, alerto que não faço ideia se o tratamento funciona. Não é o que vou discutir aqui. Vou discutir algumas disfunções do comportamento humano, que foram escancarados durante essa Pandemia.

 

O remédio politizado

Nunca tinha ouvido falar de HCQ na vida. A primeira vez que soube do remédio foi pela imprensa, porque foi indicada como panaceia pelo Bolsonaro e pelo Trump.

Desse dia em diante todas as notícias de grandes jornais e da mídia mais relevante foram no sentido de desacreditar o remédio.

Mas a HCQ não desapareceu, apesar de a imprensa dar certeza diária de que não funciona. Continuei recebendo informações em redes sociais e em mídia de médio porte.

A primeira vez que tive contato com o protocolo de uso de HCQ + AZT + Zinco foi através de um monte de matérias sobre o caso da Prevent Senior. Eles são um plano de saúde para a terceira idade e foram os primeiros a enfrentar volume elevado de pacientes com COVID no Brasil. Eles têm 470.000 clientes de terceira idade, o equivalente a uma cidade de 2 milhões de habitantes. Quase todos os clientes são do grupo de risco.

O diretor presidente avisou que, no surgimento dos primeiros sintomas, passaram a mandar um kit com HCQ + AZT + Zinco para os pacientes em casa.

Deu certo? Dá certo? Ele afirma que sim.

Podemos afirmar que não há dúvida de que ele acredita que funciona. Usou nele mesmo e em toda a família, inclusive na mãe idosa. Ele é presidente de um plano de saúde, não quer que as pessoas fiquem 10-15 dias internadas. Isso é custo altíssimo pra ele.

Funcionou o coquetel? Não sei. Sei que os clientes receberam o tratamento, e não há motivos para achar que os médicos e o plano são irresponsáveis, pois todos estão com seus CRMs e registros na berlinda.

E o coquetel continuou na mídia paralela e nas redes sociais. Na grande mídia, apenas saiam notícias que desabonavam o uso.

Alguns médicos famosos procuraram esconder o uso do remédio, outros falaram que usaram. Mais mistério, menos ciência, mais política, menos respeito e transparência.

O médico do Doria, Dr. David Uip, escondeu seu protocolo de tratamento (que incluía a HCQ). Acabou dando a impressão de que é coisa para médico rico usar e deixar os pobres por conta do sistema imunológico.

Continuo recebendo em redes sociais, de gente séria e de confiança, relatos de médicos, áudios, vídeos, falando desse protocolo ou com variantes como uso de anticoagulantes a partir de determinado d-dímero ou suplemento de vitamina D.

Funciona? Como vou saber, se isso se tornou um submundo de prescrições “proibidas”?

O Jornal O Globo estampou a seguinte manchete, com os dizeres de um dos maiores infectologistas do país: ‘O médico me ofereceu Cloroquina. Eu disse: Me respeite’. Eu penso: chamou de idiotas ou crentes os médicos que usam.

Dentro da reportagem lemos ele falando: “escrevi várias vezes para amigos dizendo que eu aposto que os estudos bem feitos com cloroquina — aqueles randomizados, duplo-cegos e controlados por placebo — não mostrarão eficácia, particularmente para cloroquina com azitromicina.”. Pelo que pude entender, o não funcionamento é a “aposta” dele. Mas recomenda que não façam uso. Em que isso é ciência, eu não sei.

 

O protocolo do SUS

Com sintomas, vai pra casa e toma dipirona.

Se você é de classe média ou média-alta, acessa um médico disposto a lhe receitar algum coquetel e a lhe acompanhar. Se é desprotegido, está por conta de si mesmo.

Dá certo o coquetel? Repito: não faço ideia.

Mas nem todos podem acessar um tratamento de imediato, e vão ficar na angústia de permanecer em casa torcendo pelo melhor e com medo de, quando precisar de internação, ser tarde demais. Ou não ter vaga.

Talvez uma dipirona seja mais certo do que usar algum coquetel não aprovado pela ciência. Mas só quem pode optar é quem tem recursos.

 

O estudo que “destruiu” a cloroquina

Há alguns dias veio a manchete definitiva “Maior estudo já feito com hidroxicloroquina mostra que droga não traz benefício no tratamento da covid19”.

Acabou. Chegou a prova! Eu, como sempre, li o estudo.

Eu tenho um pouco de dificuldade para entender por que há pesquisadores que não fazem questionamentos básicos sobre seus estudos, que lhes poupariam tempo e dinheiro. Não sei se há verba já empenhada, se precisam publicar, ou se há má-fé. Não deve ser má-fé, pois qualquer pessoa que lesse o estudo veria que a metodologia não presta. Não precisa ser médico ou estatístico. Beira o ridículo.

Os defensores da HCQ criticaram o estudo por ser feito em hospitalizados e por não usar o zinco e a AZT. Mas se lessem o estudo teriam outros motivos, mais graves, para criticá-lo. Não vou fazer uma análise extensiva dos erros metodológicos, mas ilustrar alguns e colocar um link para quem quiser ver outros debates:

Os pacientes tratados com HCQ estavam mais doentes do que os que não foram tratados. Já é, em si, inacreditável que o pesquisador comece a pesquisa com um viés desse nível. Mas piora.

 

Os pacientes não tratados com HCQ eram mais novos (18,6% tinha menos 40 anos, contra 9,9% do grupo HCQ) e havia mais mulheres (que morrem bem menos). Mais um viés inexplicável.

 

Os pacientes tratados com HCQ tinham mais diabetes (37,1% contra 33,6%) e hipertensão (49,1% conta 6,7%). O número de hipertensos é assustadoramente mais alto no grupo HCQ. Não dá para entender o estudo sair com um viés desse tamanho. Esse volume de hipertensos praticamente garante que o grupo tratado com HCQ tenha mais comorbidades acumuladas (138,9% de presença de comorbidades contra 92,6% no grupo não tratado).

O estudo fica ainda mais “viesado” quando o pesquisador, em vez de comparar separadamente pessoas que evoluíram para óbito ou para entubação, resolveu juntar os dois, para prejudicar o grupo com HCQ. Quando os dados são separados, a mortalidade do grupo HCQ desaba. Mas é um pouco complexa essa análise, portanto indico a discussão que aconteceu no twitter sobre o caso. O estudo original está disponível para análise.

https://twitter.com/dperetti/status/1259154540630364162

Não é necessário conhecimento profundo de estatística para ver os vieses injustificáveis.

E a ciência deu seu veredito final, através da grande imprensa, a partir desse estudo. É a ciência que eu “curto” nas redes sociais. Aquela que me permite xingar o outro de idiota.

 

O estudo que ninguém viu, não saiu na grande imprensa e que não é “a ciência que me permite chamar o outro de idiota”

Praticamente na mesma época, foi publicada uma matéria com o seguinte título “Hydroxychloroquine, Azithromycin, and Zinc Triple-Combo Proved to be Effective in Coronavirus Patients, Study Says”. Foi publicada no Daily Mail.

Levei uns 30 minutos procurando o artigo original e percebi que, mesmo o estudo tendo sido publicado no dia 08 de maio, não houve repercussão na grande mídia. O estudo que “destruiu” a HCQ teve ampla repercussão. Mundo inteiro. Toda a principal mídia do planeta repercutiu.

O estudo que comprovou a eficácia do coquetel não é um estudo sobre a HCQ+AZT em si, mas sobre o zinco. O interessante dele é que usa o coquetel que as pessoas têm falado há quase 2 meses e que a imprensa tem tentado nos convencer que não serve pra nada. Todos os grupos estavam no HCQ+AZT, um grupo recebeu zinco, outro não.

https://www.sciencetimes.com/articles/25658/20200512/hydroxychloroquine-azithromycin-zinc-triple-combo-proved-effective-coronavirus-patients-study.htm

O estudo original pode ser lido aqui:

https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.05.02.20080036v1

Só a leitura dos quadros do estudo já mostra que eles procuraram eliminar os vieses. Não há viés de NADA. De raça, gênero, tabaco, remédios que estavam tomando, condições preexistentes etc. Como um estudo deve ser.

Apresento a seguir a tabela com os resultados. Falam por si. Mesmo para quem não é estatístico e não sabe interpretar um p-value.

O estudo não é sobre o uso antes da hospitalização, mas depois.

77% dos tratados com o coquetel + Zinco receberam alta sem UTI e sem respirador, 68% sem zinco.

De quem foi para UTI 73,6% morreram com Zinco e 74,4% sem zinco.

De quem não foi para UTI, apenas 6,9% do grupo que tomou zinco foi a óbito, enquanto 13,2% dos que não tomaram foram a óbito (ou foram transferidos por estarem em estado terminal/ moved to hospice).

 

O coquetel funciona?

Não sei. A análise é sobre nós, nosso comportamento e nossos vieses.

Essa pandemia trouxe à tona evidências de que nossa interpretação da ciência, do positivismo, da moral e do direito estão nos levando, literalmente, a um fundamentalismo moral. Uma crença quase religiosa de que somos melhores, éticos e que estamos do lado certo do mundo, da vida, do coletivo, da história e da ciência. A verdade é aquilo em que nós acreditamos. O resto é lixo, maldade, genocídio etc.

Quando alguém faz, propõe ou age em desacordo com essa micro-moralidade, nós atacamos essa pessoa, jogamos a empatia na lata do lixo, pois somos moralmente infalíveis e o outro é o inferno que me atrapalha.

A ciência não vai trazer nenhuma resposta perfeita agora. Mesmo depois não trará, pois temos remédios e vacina para a gripe e ela matou quase 2x mais idosos na Itália na temporada de 2014-2015 do que a COVID matou agora. A ciência nos deu a vacina e o remédio, mas não deu a garantia de sucesso, nem evitou uma brutal mortalidade excessiva.

Se estamos diante de enormes incertezas, é razoável que as pessoas escolham em que acreditar. As nossas escolhas falam mais sobre a nossa moralidade do que sobre a nossa racionalidade. A ciência não nos dá respostas precisas, mas a gente pode escolher a imprecisão que leva à cura, à melhora das pessoas e à esperança nessa Pandemia. Mas quem faz isso é chamado de negacionista, terraplanista, genocida, idiota e gado.

Não devemos deixar nossas preferências políticas nos embrutecer. Estamos nos escravizando voluntariamente para defender posições políticas. Libertemo-nos.

Eu ainda não sei se tomaria o coquetel, se precisasse. Talvez eu não precisasse viver essa insegurança se o remédio não tivesse sido politizado e se não houvesse massificação de um viés político-ideológico. Sofremos todos com essa irresponsabilidade de “ter certeza de que não dá”.

Se no futuro descobrirmos que funciona, teremos bloqueado o uso de medicamentos baratos e acessíveis para gente pobre, apenas para provar que estamos certos. E com bastante truculência.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A galera da ciência, aquela que tem certeza de tudo e só aceita informações que corroboram suas crenças, expulsaram o debate sobre a cloroquina da imprensa. 100% das informações em grandes mídias desaconselhavam o uso.

Recentemente fizeram “o maior estudo do mundo” que provaria que a HCQ não funciona, não serve pra nada.

 

 

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

  • Disclaimer

    Este blog é um ambiente privado para expor opiniões, estudos, reflexões e comentários sobre assuntos ligados a finanças, bolsa de valores, economia, política, música, humor e outros temas.

    Seus objetivos são educacionais ou recreativos, não configurando sob nenhuma hipótese recomendação de investimento.

    O investidor consciente deve tomar decisões com base em suas próprias crenças e premissas. Tudo que lê ou ouve pode ser levado em consideração, mas a decisão de investimento é sempre pessoal. Tanto na escolha de ações para carteira própria, quanto na escolha de gestores profissionais para terceirização da gestão.

    O Autor espera que os temas educacionais do blog possam ajudar no desenvolvimento e no entendimento das nuances do mercado de ações, mas reitera que a responsabilidade pela decisão de investimento é sempre do próprio investidor.

    Sejam bem vindos!

  • Paulo Portinho

    PAULO PORTINHO, engenheiro com mestrado em administração de empresas pela PUC-Rio, é autor do Manual Técnico sobre o Método INI de Investimento em Ações, do livro "O Mercado de Ações em 25 Episódios" e do livro "Quanto Custa Ficar Rico?", os dois últimos pela editora Campus Elsevier.

    Paulo atuou como professor na Pós-graduação de Gestão Social da Universidade Castelo Branco e na Pós-graduação oferecida pela ANBIMA de Capacitação para o Mercado Financeiro.

    Atuou como professor da área de finanças e marketing na Universidade Castelo Branco e no curso de formação de agentes autônomos do SINDICOR.

    Como executivo do Instituto Nacional de Investidores - INI (www.ini.org.br) entre 2003 e 2012, ministrou mais de 500 palestras e cursos sobre o mercado de ações, sendo responsável pelo desenvolvimento do curso sobre o Método INI de Investimento em Ações, conteúdo que havia chegado a mais de 15.000 investidores em todo o país, até o ano de 2012.

    Representou o INI nas reuniões conjuntas de conselho da Federação Mundial de Investidores (www.wfic.org) e da Euroshareholders (www.euroshareholders.org), organizações que congregam quase 1 milhão de investidores em 22 países.

    Atuou como articulista do Informativo do INI, do Blog do INI, da revista Razão de Investir, da revista Investmais, do Jornal Corporativo e do site acionista.com.br. Foi fonte regular para assuntos de educação financeira de veículos como Conta Corrente (Globo News), Infomoney, Programa Sem Censura, Folha de São Paulo, Jornal O Globo, entre outros.

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...