Red Pill COVID19: A baixa mortalidade nos estados do Sul do Brasil.

Posted on 23/06/2020. Filed under: Administração, Filosofia, Política | Tags:, , |

Essa série “red pill” não é para contar “verdades” sobre a COVID, mas para debater hipóteses fora das limitações da mídia e da luta política. A pílula vermelha é aquela que permite ver a Matrix, ou seja, fugir do condicionamento e das ilusões.

O Brasil está razoavelmente intrigado com o fato de alguns estados terem sido muito mais atingidos que outros. A mortalidade por MM de habitantes chegou a 20 vezes mais na comparação entre alguns estados do Norte e Nordeste e os estados do Sul e do Centro-Oeste.

Imunidade cruzada

Ninguém sabe exatamente como funciona a relação entre o nosso sistema imunológico e a COVID. Sabemos que algumas pessoas ficam expostas ao vírus e não pegam, ou se pegam, não desenvolvem anticorpos e não têm sintomas. Temos pessoas que desenvolvem anticorpos, mas que desaparecem em poucos meses. Temos pessoas que ficam extremamente vulneráveis e são internadas ou vão a óbito.

A mortalidade absoluta do vírus já foi estimada pelo CDC dos EUA em 0,26%, o que é condizente com a pesquisa brasileira com profissionais de saúde, onde 83.000 tinham sido contaminados com 169 óbitos (à época da pesquisa), 0,2%.

Sabemos também que nosso sistema imunológico é constantemente “treinado” para enfrentar patógenos e que, quanto maior nossa exposição, mas competente nosso sistema fica. Essa é a lógica da maioria das vacinas, treinar nosso sistema imunológico para que seja competente no enfrentamento de determinado patógeno, com a vantagem de não sofrer as consequências do patógeno.

Há uma hipótese já bem estudada e avançada indicando que nem todos são susceptíveis ao vírus. E que muitos de nós o enfrenta com base em memórias imunológicas de outros vírus semelhantes. A isso chamamos imunidade cruzada. O organismo não enfrenta os patógenos apenas com anticorpos específicos, há outras ferramentas.

A hipótese do Sul do Brasil

Nada do que será sugerido aqui é verdade ou provado. Isso não é um trabalho científico, mas um trabalho exploratório para levantamento de hipóteses, que se forem de interesse podem ser estudadas e provadas, ou descartadas.

Praticamente todos os estados do país começaram a sofrer com excesso de síndromes respiratórias agudas graves (SRAG) no final de fevereiro. A hipótese óbvia é que a COVID estava por aqui muito antes de virar notícia e de virar luta política. Quanto a isso não há muita dúvida, apesar de a luta política ter transformado tudo o que deveria ser técnico em algo moral. Uma enorme perda de tempo.

Essa evolução na SRAG aconteceu também nos estados menos atingidos pela COVID, como os estados do Sul e do Centro-Oeste. Todos foram impactados de forma mais agressiva em finais de fevereiro (semanas 9 a 11).

A hipótese que me parece plausível é que esses estados, por serem reiteradamente mais atingidos por síndromes respiratórias, desde sempre, tenham levado os moradores a desenvolverem sistemas imunológicos mais competentes para lidar com esses patógenos.

Há outras variáveis, as quais não temos acesso, como a quantidade de infectados no início do surto, mas pelos gráficos a seguir deve ficar claro que a hipótese de imunidade “treinada” pode ter alguma relação.

Estados com incidência elevada de SRAG todo ano

Os gráficos a seguir mostram alguns dos estados com menor incidência de COVID e óbitos no país. Perceba que as curvas coloridas, que são históricos e previsões de incidência de SRAG oscilam entre 1 e 2 casos por 100.000 habitantes por semana epidemiológica.

Todos apresentaram elevações e níveis de infecção e internação entre 4 e 6 por 100.000 habitantes.

O número de óbitos de COVID por 100.000 habitantes (22/06, fonte: painel interativo do Ministério da Saúde): MS (2), SC (4), RS (4) e PR (4).

Estados que não são impactados por SRAG de forma relevante

O número de óbitos de COVID nos 4 estados mostrados no gráfico abaixo é: AM (65), CE (61), PA (54), RJ (52).

 

Análise dos dados e outliers

Apesar da escala não ajudar, pelos dados de 2019, podemos ver que o índice “normal” de internações (pico da curva verde em 2019) por SRAG nos estados estudados foi o seguinte:

Menos atingidos por síndromes respiratórias (por 100.000 habitantes por semana): AM (0,1), PA (0,15), CE (0,08) e RJ (0,09).

Mais atingidos por síndromes respiratórias (por 100.000 habitantes por semana): RS (0,8), SC (0,6), PR (0,7) e MS (0,6).

São os estados com mais óbitos por COVID no Brasil e os com menos óbitos (excluindo MG).

É claro que podemos sempre pensar que esses estados receberam MENOS turistas, mas não podemos negar que tiveram uma alta muito grande nos casos de SRAG na mesma época dos estados mais afetados. Os efeitos estavam lá também. Devemos lembrar que já se fala em COVID em Agosto na China e a Itália informou que já havia sinais da COVID nos esgotos do país em dezembro de 2019.

Nós temos 3 outliers, pontos fora de Curva, que podem ter outras explicações.

Pernambuco e SP têm índices mais altos de incidência de SRAG (respectivamente 0,3 e 0,2 por 100.000 habitantes para 2019), mas ambos tiveram alta mortalidade. PE (44) e SP (28). A explicação pode estar no grande volume de tráfego de estrangeiros e no carnaval muito frequentado.

MG não tem um índice tão alto de SRAG, é semelhante ao de SP, e tem uma das mais baixas mortalidades do país. E não se deve à subnotificação de COVID, pois a mortalidade por SRAG também é baixa em relação ao país (0,7 por 100.000 habitantes por semana, enquanto o Amazonas bateu 14, vinte vezes mais). O caso de MG não é fácil de explicar, pois o Carnaval lá também é forte. Talvez receba muito menos turistas estrangeiros.

O futuro nos estados do Sul

Devemos observar o futuro da epidemia nos estados ainda menos afetados para verificar se a hipótese se confirma, de que populações mais expostas a patógenos respiratórios podem ser menos susceptíveis à COVID.

Há um perigo nesses estados que é a competição dos dois patógenos. Está chegando justamente a época de gripe, em que há uma alta nas internações e óbitos.

Minha impressão é que a COVID já está por lá há algum tempo e o aumento nas internações e óbitos não será exclusivo da COVID, mas da temporada de gripe que já é grave nesses estados e nessas épocas. Devemos ver um aumento nas internações, mas acredito que não chegará nem perto do nível encontrado nos estados do N e NE.

Posso estar enganado, é claro, algumas coisas, porém, são inequívocas:

– A COVID está fazendo estrago desde o final de fevereiro. Pelo período de incubação da doença, provavelmente começou a se espalhar entre os dias 20 e 25 de fevereiro (semana 10 vai até 01 de março).

– Nós estamos analisando os dados de forma errada no Brasil. Para efeitos de precisão dos dados, precisamos saber se esses casos de SRAG foram, de fato, COVID, mas para nos guiarmos em políticas públicas, isso NÃO é necessário. Já deveríamos estar olhando os gráficos da SRAG como proxys da COVID há muito tempo.

– Nossas curvas reais devem estar inclinadas para a esquerda em relação ao que estamos vendo nos noticiários. Se considerarmos apenas os óbitos e casos por DATA DE EVENTO já teremos picos e platôs acontecendo entre final de abril e maio na maioria dos estados mais atingidos. Se utilizássemos as curvas de SRAG, a curva iria ainda mais para trás, talvez entre final de março e início de abril, em alguns estados.

– Em resumo, os números que vemos todos os dias na TV podem não ter significado gerencial algum, ao contrário, podem estar nos levando a analisar tudo errado.

É uma hipótese, não é algo político, moral ou ideológico.

Make a Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Uma resposta to “Red Pill COVID19: A baixa mortalidade nos estados do Sul do Brasil.”

RSS Feed for Blog do Portinho Comments RSS Feed

Excelente análise Portinho! Parabéns por mostrar um outro ângulo e novas hipóteses! Valeu!


Where's The Comment Form?

  • Disclaimer

    Este blog é um ambiente privado para expor opiniões, estudos, reflexões e comentários sobre assuntos ligados a finanças, bolsa de valores, economia, política, música, humor e outros temas.

    Seus objetivos são educacionais ou recreativos, não configurando sob nenhuma hipótese recomendação de investimento.

    O investidor consciente deve tomar decisões com base em suas próprias crenças e premissas. Tudo que lê ou ouve pode ser levado em consideração, mas a decisão de investimento é sempre pessoal. Tanto na escolha de ações para carteira própria, quanto na escolha de gestores profissionais para terceirização da gestão.

    O Autor espera que os temas educacionais do blog possam ajudar no desenvolvimento e no entendimento das nuances do mercado de ações, mas reitera que a responsabilidade pela decisão de investimento é sempre do próprio investidor.

    Sejam bem vindos!

  • Paulo Portinho

    PAULO PORTINHO, engenheiro com mestrado em administração de empresas pela PUC-Rio, é autor do Manual Técnico sobre o Método INI de Investimento em Ações, do livro "O Mercado de Ações em 25 Episódios" e do livro "Quanto Custa Ficar Rico?", os dois últimos pela editora Campus Elsevier.

    Paulo atuou como professor na Pós-graduação de Gestão Social da Universidade Castelo Branco e na Pós-graduação oferecida pela ANBIMA de Capacitação para o Mercado Financeiro.

    Atuou como professor da área de finanças e marketing na Universidade Castelo Branco e no curso de formação de agentes autônomos do SINDICOR.

    Como executivo do Instituto Nacional de Investidores - INI (www.ini.org.br) entre 2003 e 2012, ministrou mais de 500 palestras e cursos sobre o mercado de ações, sendo responsável pelo desenvolvimento do curso sobre o Método INI de Investimento em Ações, conteúdo que havia chegado a mais de 15.000 investidores em todo o país, até o ano de 2012.

    Representou o INI nas reuniões conjuntas de conselho da Federação Mundial de Investidores (www.wfic.org) e da Euroshareholders (www.euroshareholders.org), organizações que congregam quase 1 milhão de investidores em 22 países.

    Atuou como articulista do Informativo do INI, do Blog do INI, da revista Razão de Investir, da revista Investmais, do Jornal Corporativo e do site acionista.com.br. Foi fonte regular para assuntos de educação financeira de veículos como Conta Corrente (Globo News), Infomoney, Programa Sem Censura, Folha de São Paulo, Jornal O Globo, entre outros.

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...

%d blogueiros gostam disto: