Temer Fica para a Economia Melhorar? Vocês entenderam tudo errado!

Posted on 19/05/2017. Filed under: Administração, Finanças, Política |

Quem pensa assim não faz ideia da REAL origem de nossa crise econômica. É muito diferente do que as pessoas pensam.

Falta de dinheiro público é só uma parte da explicação

É inegável, basta ver as contas do governo, a carga tributária e a relação dívida/PIB para constatar que o estado Brasileiro está em vias de falir. Falir mesmo, não aquelas bobagens que o PT dizia de FHC, que quebrou o Brasil 3 vezes. Nada disso, agora a coisa é real.

A expectativa do Itaú e de outros bancos é que, sem a reforma da previdência, chegaremos em 2 anos à fatídica relação dívida/PIB de 100%. Com juros ainda altíssimos. Isso é absolutamente insustentável.

Como o Brasileiro sente essa crise orçamentária?

Os governos do PT distribuíram alguns trilhões de reais na economia, seja com repasses diretos ou crédito subsidiado, tudo obtido a base de endividamento da União e das empresas públicas. Esse dinheiro na economia deu a (falsa) impressão de riqueza e prosperidade. Soldadores com salário de R$ 10.000 e operadores de guindaste ganhando mais que analistas do Banco Central foram apenas reflexo dessa exuberância de dinheiro público na economia.

Ocorre que essa fonte secou. Não só momentaneamente, mas para sempre. O único “motor” que os políticos brasileiros conhecem para mover a economia é o gasto público. Não temos mais acesso a isso. E teremos menos ainda no futuro.

MESMO com as reformas, a previsão é de orçamento cada vez mais apertado e a trajetória da dívida continuará explosiva, apenas ganhará uma sobrevida de alguns anos.

Em resumo, o Batman de outrora (dinheiro público na veia) não pode ser mais chamado. Está aposentado por invalidez permanente.

Quem poderá nos salvar?

Agora vem a REAL explicação do tamanho de nosso buraco econômico.

Dado que não há, e não haverá, excedentes de orçamento público para investimento, precisaremos contar com os excedentes de poupança privada. Mas é claro que isso NÃO EXISTE no Brasil. Nossa poupança privada nacional é pífia.

Mesmo durante o boom de aberturas de capital entre 2005 e 2008, mais de 80% do dinheiro era estrangeiro.

No exterior há vários trilhões de dólares investidos em títulos que rendem juro negativo, mas mesmo assim o Brasil não passa nem perto de ser um potencial destino para esse dinheiro. Preferem ter perda certa e pequena lá fora, do que se aventurar em terra brasilis.

Por quê?

Não amigo, não é pela crise política, não é pelo Foro de São Paulo, não é pela narrativa do golpe, não é nada disso. É por um motivo bem mais simples.

Existe um cerco violentíssimo contra a corrupção e a lavagem de dinheiro no mundo, há acordos de compartilhamento de informações entre bancos centrais e departamentos de justiça de vários países. Mesmo os paraísos fiscais mais relutantes, como o Panamá por exemplo, estão aos poucos cedendo à pressão internacional.

O que explodiu o sistema criminoso não foi o juiz Moro, ele foi uma parte apenas. O que foi definitivo para ruir o sistema foi o auditor da Petrobras ter se negado a assinar o balanço do terceiro trimestre de 2014.

O castelo de cartas da corrupção ruiu por medo dos fornecedores de serviços da Petrobras de sofrerem processos bilionários nos EUA e em seus países de origem. E foi exatamente o que aconteceu, e acontece até hoje.

Pouca gente acompanha os efeitos da lava-jato nos fornecedores estrangeiros da Petrobras, mas praticamente todos os envolvidos estão sendo (ou foram) processados em seus países de origem e até nos EUA, com pagamento de multas bilionárias e prejuízos gigantes. Prejuízos muito maiores do que os ganhos que tiveram por aqui.

E a tendência, a partir desses acordos internacionais anticorrupção e lavagem de dinheiro, é restringir ainda mais os recursos para países em que a corrupção é um método corriqueiro de fazer negócio.

A própria JBS, para conseguir se manter nos EUA, terá que fazer um acordo de leniência com as autoridades locais, com multas bilionárias e sanções pesadíssimas. Eles sabem disse e já iniciaram as conversas por lá.

E foram várias empresas brasileiras buscando acordos com o Departamento de Justiça dos EUA (e aqui também). Braskem, Embraer, Eletrobrás, Odebrecht, OAS etc., se enrolando com a justiça americana e brasileira.

Até pouco tempo atrás o risco moral e financeiro de participar de um sistema corrupto como o brasileiro era relativamente baixo. Não tínhamos notícias, até 2014, de empresas brasileiras processadas nos EUA e na Europa, fazendo acordos milionários (às vezes bilionários) para se livrar de sanções penais e administrativas no exterior.

E isso não é exclusividade do Brasil, os EUA penalizaram severamente bancos europeus envolvidos na crise de 2008, isso inclusive foi um dos motivos para o surgimento desse novo modelo de governança. Risco é custo e o risco da corrupção ficou altíssimo nos últimos 10 anos.

Esse movimento NÃO TEM VOLTA.

Se o Brasil quiser voltar a ser destino de pesados investimentos estrangeiros, e dinheiro há aos montes, além de ótimos projetos a realizar por aqui, precisará convencer as empresas e os investidores de que é possível fazer negócio por aqui sem o risco moral e econômico de fazer parte de uma teia criminosa.

Acreditem, é tão simplório quanto isso. Relação risco e retorno, tanto moral quanto econômica.

Para quem não sabe, a lei norte-americana (Foreign Corrupt Practices Act) permite responsabilização criminal e cível de qualquer ato de corrupção de qualquer empresa que tenha interesses nos EUA, seja ela americana ou não, esteja ela atuando nos EUA ou não. É uma lei criada para garantir a entrada de empresas norte-americanas em países altamente corruptos, onde essa prática destrói o ambiente competitivo. Outro objetivo é proteger investimentos de cidadãos americanos fora de seu país.

Lula ODEIA essa lei e já externou isso. É essa lei, que tem derivações em outros países, que assombra empresas que operam em países como Brasil e Venezuela. Lula acha que é uma invasão de soberania, mas na verdade o que ele quer é que o “jeitinho corrupto brasileiro” continue.

Antes da cooperação internacional o custo de pagar propina no metrô de SP ou na Sete Brasil era aceitável para esses operadores, hoje o custo é muitíssimas vezes maior do que qualquer lucro que se pode conseguir extrair desses contratos. Não vale a pena correr o risco.

É essa equação que explica nossa crise econômica, atual e futura: Falta estrutural e crescente de dinheiro público, falta de ambiente saudável e leal para investimentos privados e uma guerra entre os organismos da justiça e as várias organizações criminosas infiltradas em todas as instâncias de poder do país.

Independente das narrativas de esquerda e direita, dos Reinaldos Azevedos da vida e das viúvas de Dilma, o áudio e o comportamento de Temer, para qualquer investidor estrangeiro, é crime e demonstra que temos um mafioso sentado na cadeira de presidente. É um homem a serviço da proteção do mesmo sistema corrupto que destruiu reputações, empresas, empregos e fortunas, mas que insiste em se manter de pé no país.

E assim não tem negócio. Antigamente valia correr o risco de pagar o custo Brasil, no que se refere à corrupção, hoje não vale mais a pena investir bilhões e correr o risco de ser processado em seu país, multado em outros bilhões e, pior, ainda perder o dinheiro investido por aqui. O risco não se paga.

Há coisas sobre a qual ter dúvida é uma ingenuidade à qual não posso ceder.

Não tenho dúvidas de que Temer é apenas mais um proposto da organização criminosa que assola o país há décadas. Isso é muito claro para todos os operadores, em todos os países. A eventual vitória de Temer, mantendo-se na presidência e implantando as reformas parecerá uma vitória do Brasil, mas é só o caminho mais óbvio de fortalecimento da máfia. Acabamos de ver isso acontecer com Lula e a “Carta aos Brasileiros”. Seguir a cartilha do FMI e da austeridade, manter as regras do Plano Real foram só instrumentos para se perpetuar no poder, com volumes de propina inimagináveis. Era virtude de um lado, lamaçal de outro. Deu no que deu.

Se Temer vencer, sair ileso, e aprovar as reformas (o que considero praticamente impossível), será um vitória de Pirro para o Brasil. Venceremos da mesma forma de sempre, com a corrupção como método e a cara de pau como script.

Não torça por Temer, ele é exatamente a mesma coisa que Dilma e Lula, só mais envernizado.

A única saída duradoura para o Brasil é pela virtude. Não sei se vamos conseguir, mas certamente não será com Temer, Lula, Aécio ou adjacências.

Ps. Antes dos áudios talvez pairasse dúvidas sobre quem é Temer, eu mesmo lhe dava o benefício da dúvida. Mas depois não há mais NENHUMA dúvida. Por mais que se queira defender as reformas, é evidente que Temer é um inimigo da Lava-jato e agirá assim nas oportunidades que tiver. Lamento pelo Brasil, mas temos que tocar as reformas com outro personagem. Espero que seja rápido.

Anúncios

Make a Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

26 Respostas to “Temer Fica para a Economia Melhorar? Vocês entenderam tudo errado!”

RSS Feed for Blog do Portinho Comments RSS Feed

Boa tarde!
Acompanho seus textos esporadicamente, e os acho muito lúcidos.
Gostaria de lhe fazer uma pergunta: na sua opinião qual o risco de haver um calote nos títulos do Tesouro?
Grande parte dos meus investimentos estão alocados em títulos que vencem em 20124 e 20135, e os tenho visando a minha aposentadoria pois apesar de parte dos merus rendimentos virem como funcionário público simplesmente não acredito que esse sistema seja sustentável no longo prazo e quem não estiver preparado para tal passará grandes dificuldades na sua velhice.
Parabéns pelo excelente blog.
Paulo

Oi Paulo,
Calote em dívida pública interna é um passo que nunca vi acontecer. Creio que nem em países como a Venezuela e Argentina isso tenha ocorrido, pois basta um ajuste inflacionário. Portanto, creio que a situação possa ficar insustentável, mas calote propriamente dito, não acredito. Só a bobagem que o Collor fez, de reter de forma compulsória a poupança, já foi desastroso, imagina se o governo decidisse não honrar sua dívida interna? Não sobraria nenhuma entidade do sistema financeiro nacional

Muito bom portinho. Continue o bom trabalho.

Parabéns. Como sempre prestando ótimo serviço a população. Excelente !

Obrigado Jean!

Oi Portinho, o choque de realidade que vc nos dá com seus artigos é de aumentar os meus cabelos brancos, que não param de aparecer em projeção geométrica…. bom, melhor do que ficar careca rsrs Enfim… tenho 40 anos, sou uma pequeninissina investidora iniciante e diante do futuro negro que se descortina aqui no Brasil, estou com medo… iniciei investindo no tesouro direto, em três titulos distintos, para objetivos de curto, medio e longo prazos… e estou estudando para começar a investir em ações… mas estou com medo… meu marido diz que estou inventando moda… que a poupança rende nada, mas é mais segura (😳) e que, na verdade, seria melhor aproveitar a vida logo agora porque o futuro será negro pra todo mundo, inclusive pra investidores que acabarão tomando um calore daqueles… quase voo no pescoço do meu marido, falo que ele ainda vai me agradecer ( ainda bem que nos damos muuuito bem em todos os outros aspectos da vida conjugal, senão rsrs), mas diante do cenário que está por vir estou começando a duvidar do que será do meu tesouro IPCA 2035 ou mesmo se valerá a pena entrar na bolsa agora com uma visão de longo prazo pra cujo futuro não consigo imaginar como será… Não estou com esperança de que as reformas saiam… Há o risco Lula… isso aqui virar uma Venezuela ? Portinho, estou com medo… me ajuda aí!!! P.S. Estou lendo seu “O Mercado de Ações em 25 Episódios” e estou encantada!! Parabéns!! Um abraço!! Mariana, Curitiba/PR.

Oi Mariana, vou tentar continuar a escrever sobre esses riscos do Brasil. Não creio em venezuelização, acho que, antes disso, a constituição entra em falência e vamos nos reorganizar em um estado menor. O choque orçamentário vai acabar por cortar, na marra, muitos privilégios infundados. Obrigado pelas palavras gentis.

Oi Mariana Carvalho. Solidarizo-me com você. Sou um investidor apenas um pouco mais experiente, que também aprendeu muito aqui com o Portinho. Já que é leitora do blog, já deve ter visto o comentário do Rodrigo Campos, no post sobre O Desastre de Maio (se não o leu, vá lá lê-lo). Estamos todos com medo, e esta crise pode ser a pior, mas crise em si não é coisa nova… Pode tudo virar pó desta vez, ou pode ser uma boa fase para compras na bolsa de empresas baratas que se erguirão mais àfrente — não há como ninguém saber com certeza. Você está no caminho certo. Continue antenada aos riscos sistêmicos, mas cuidado com os bullshits que indicam giro de patrimônio. Atenha-se ao “primeiro mandamento”: Diversificação — é como se lida com risco. E é o que vai salvar as minhas finanças e as suas. Nestes últimos anos eu me concentrei mais entre Tesouro e ações no Brasil, e estou neste momento corrigindo esse balanceamento (exemplos: ações no exterior, dólar, ouro, bitcoin). Defina suas maneiras de diversificar, use uma planilha para definir os percentuais de alocação e siga o plano. As alternativas e os percentuais corretos são aqueles que farão você dormir (mais) tranquila à noite. Abraços.

Portinho, bom dia, sou fã do blog e leitor de todos os seus livros. Tomara que apareça mais um. Muito do

Agora, falando de política, acho que existe um endeusamento da Operação Lava-Jato, há, para alguns, a impressão de que TODA corrupção do Brasil seria punida e descoberta. Parecia um conto de fadas. Aí, depois de um tempo, vêm os áudios do Aécio 2 milhões. Sem contar o fato de que a gravação dele foi feita por um grupo fora de Curitiba.

Quem se lembra da Operação Zelotes que apurava fraudes bilionárias contra a Receita Federal?

Fora do Brasil ainda existe a chance de haver impeachment do Trump. O General Finley, assessor demitido pelo presidente americano, estuda fazer uma delação premiada sobre a influência da espionagem russa nas últimas eleições americanas. Pode ser outro terremoto para o mercado de capitais brasileiro.

E a Bolsa de Valores brasileira? O que pode vir de oportunidade para o futuro? ACHO que a B3 deve cair por conta da política. Na minha opinião, isso pode durar até 2019, época em que um novo presidente possa mostrar serviço. Seria um período de compras de ações boas pagadoras de dividendos.

Oi Leandro, acho que é só uma falha de comunicação. Há várias operações em andamento, mas por comodidade o brasileiro atribui tudo à lava-jato.
O grande mérito de Moro foi ter peitado o STF lá no início, em 2014, quando tentaram libertar Alberto Yousseff. O STF voltou atrás e a partir daí os tribunais superiores foram negando os habeas corpus dos bagrinhos da Petrobras e depois dos executivos da odebrecht.
Depois ficou tarde para abafar a operação. Essa caso do Temer é clássico, se tivesse ocorrido há 5 anos, tudo seria abafado, inclusive pelos meios de comunicação, hoje não dá mais.
Não vejo previsibilidade para o Brasil nos próximos dois anos. A única coisa certa é que as contas públicas vão piorar, independente das reformas.

Obrigado Portinho! Continuamos aprendendo sempre com você! Parabéns. Somente uma observação pessoal: Um outro PERSONAGEM……não vejo um competente,honesto,patriota,, que com estes atributos, se proponha a entrar neste barco furado chamado: Poder no Brasil.
Um abraco
Noracir

Estimado Portinho, Você fez uma análise totalmente original. Sua explicação foi ótima. Grande abraço, Carlos Roberto.

Obrigado Carlos, infelizmente vamos precisar limpar bem o Brasil antes de receber fortes investimentos de fora. Tomara que a gente consiga, pois a economia está em frangalhos.

Excelente artigo, como sempre. Devidamente compartilhado nas midias sociais.

Parabéns pela lúcida manifestação!!! Continue assim!!!

Parabéns Portinho, mais um post brilhante.

Tem toda razão.
Belo artigo.

Portinho, seus artigos são sempre muito bons mas esse foi o melhor de todos. Alem de tudo foi original. Ja li varias explicações para a crise, e certamente muitos fatores contribuiram para chegarmos nesse ponto. Mas que eu tenha conhecimento, voce foi o primeiro a apontar essa causa do combate internacional a corrupção.

obrigado

Super obrigado Mauro!

O bom articulista emite opinião que se respeita. O ótimo nos faz muda-las. Você Portinho está nesse grupo. Parabéns pelo texto lúcido e iluminador.

Muito obrigado Luis!

Portinho,
Voce acredita que o Trump, na sua politica de desregularizacao, possa revogar esta lei?
Abraco
Erico

Impossível, essa lei protege investimentos americanos no exterior. Ele também não deve atrapalhar a cooperação internacional, pois um dos motivos é o combate ao financiamento do terrorismo. Acho que nisso ele não vai se meter. Esse Ato é de 1977, se não me engano. Foi a única forma dos americanos investirem em países muito corruptos com menos risco. A concorrência é desleal nesses países.

Brilhante! Mais uma vez um otimo artigo ! Obrigado Portinho !

Pois esse é o problema: com quem?

Não sei. Mas o sistema corrupto vai afastar o investimento estrangeiro. E é a única coisa que nos resta.


Where's The Comment Form?

  • Disclaimer

    Este blog é um ambiente privado para expor opiniões, estudos, reflexões e comentários sobre assuntos ligados a finanças, bolsa de valores, economia, política, música, humor e outros temas.

    Seus objetivos são educacionais ou recreativos, não configurando sob nenhuma hipótese recomendação de investimento.

    O investidor consciente deve tomar decisões com base em suas próprias crenças e premissas. Tudo que lê ou ouve pode ser levado em consideração, mas a decisão de investimento é sempre pessoal. Tanto na escolha de ações para carteira própria, quanto na escolha de gestores profissionais para terceirização da gestão.

    O Autor espera que os temas educacionais do blog possam ajudar no desenvolvimento e no entendimento das nuances do mercado de ações, mas reitera que a responsabilidade pela decisão de investimento é sempre do próprio investidor.

    Sejam bem vindos!

  • Paulo Portinho

    PAULO PORTINHO, engenheiro com mestrado em administração de empresas pela PUC-Rio, é autor do Manual Técnico sobre o Método INI de Investimento em Ações, do livro "O Mercado de Ações em 25 Episódios" e do livro "Quanto Custa Ficar Rico?", os dois últimos pela editora Campus Elsevier.

    Paulo atuou como professor na Pós-graduação de Gestão Social da Universidade Castelo Branco e na Pós-graduação oferecida pela ANBIMA de Capacitação para o Mercado Financeiro.

    Atuou como professor da área de finanças e marketing na Universidade Castelo Branco e no curso de formação de agentes autônomos do SINDICOR.

    Como executivo do Instituto Nacional de Investidores - INI (www.ini.org.br) entre 2003 e 2012, ministrou mais de 500 palestras e cursos sobre o mercado de ações, sendo responsável pelo desenvolvimento do curso sobre o Método INI de Investimento em Ações, conteúdo que havia chegado a mais de 15.000 investidores em todo o país, até o ano de 2012.

    Representou o INI nas reuniões conjuntas de conselho da Federação Mundial de Investidores (www.wfic.org) e da Euroshareholders (www.euroshareholders.org), organizações que congregam quase 1 milhão de investidores em 22 países.

    Atuou como articulista do Informativo do INI, do Blog do INI, da revista Razão de Investir, da revista Investmais, do Jornal Corporativo e do site acionista.com.br. Foi fonte regular para assuntos de educação financeira de veículos como Conta Corrente (Globo News), Infomoney, Programa Sem Censura, Folha de São Paulo, Jornal O Globo, entre outros.

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...

%d blogueiros gostam disto: