A Petrobras não perdeu valor de mercado em 2010!

Posted on 03/01/2011. Filed under: Finanças |

Nobres leitores,

Faço um post rápido para corrigir um erro que freqüenta quase todos os comentários a respeito do desempenho da Petrobras em 2010.

A Petrobras não perdeu valor de mercado em 2010, aliás, ganhou mais do que a VALE, por exemplo.

É um erro por desatenção, pois é óbvio que os analistas sabem disso, mas é importante que o investidor entenda que sua eventual perda patrimonial se deu por conta da diluição de capital e não por conta de queda no valor da empresa.

Leia um exemplo da informação imprecisa no (interessante) post abaixo, extraído diretamente do site (também interessante) www.infomoney.com.br;

Conheça as 10 ações que são as apostas dos analistas para 2011

Vejam a imprecisão da informação:

  • Em 31/12/2009 o valor de mercado da VALE era de R$ 255,512 bilhões. Em 30/12/2010 a empresa valia R$ 282,460, um ganho de pouco mais de 10,5% no ano.
  • Em 31/12/2009 o valor de mercado da PETROBRAS era de R$ 320,231 bilhões. Em 30/12/2010 a empresa valia R$ 374,871, um ganho de pouco mais de 17% no ano.

Por que, meu Deus, meu patrimônio caiu?

É o que pode estar se perguntando os investidores de Petrobras. Mas a explicação é bem simples.

  • Em 31/12/2009 a VALE tinha 5,365 bilhões de ações emitidas. Em 31/12/2010 a VALE tinha as mesmas 5,365 bilhões de ações. O que subiu, nesse caso, foi o valor da ação para que a empresa se valorizasse 10,5% no ano.
  • Em 31/12/2009 a PETROBRAS tinha 8,774 bilhões de ações emitidas. Em 31/12/2010 a PETROBRAS tinha 12,856 bilhões de ações. A quantidade de ações subiu 46,5%, mesmo com a queda no valor de cada ação, da ordem de 23% no ano, o valor de mercado ainda foi maior em 17% do que o do fechamento de 2009.

Por que isso é importante?

Por um motivo simples.

Enquanto o investidor desatento pensa que a Petrobras está valendo 23% menos do que em 2009, o investidor experiente e o profissional sabem que a empresa se valorizou e calculam corretamente seus múltiplos.

A capitalização da Petrobras deu recursos à companhia para investimento, mas os benefícios ao balanço e ao DRE poderão vir ao longo dos anos, assim que os investimentos forem feitos.

O índice fundamentalista que apresentou forte melhora foi o P/VPA, pois o patrimônio líquido da empresa foi de R$ 159 bilhões em 2009 (P/VPA = 2) para R$ 297 bilhões (P/VPA = 1,26).

Fica aqui reestabelecida a precisão dos fatos.

Apesar da queda no valor da cotação, a Petrobras vale quase 20% mais do que em 2009.

Anúncios

Make a Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

10 Respostas to “A Petrobras não perdeu valor de mercado em 2010!”

RSS Feed for Blog do Portinho Comments RSS Feed

Prezados Senhores:
Gostaria de saber se a Petrobras destribuiu bonificações nos anos de 2008/2009 e 2010 aos acionistas. Agradeço-lhes antecipadamente,

Leomar.

O único provento pago em ações no período foi o desdobramento de 2 para 1 (100%) pago em 28/04/2008.

[…] A Petrobras não perdeu valor de mercado em 2010! […]

Beleza Portinho, Obrigado,

Vc já chegou a analisar a HRTP3? Hoje mesmo saiu no infomoney uma análise do Bradesco indicando para compra. Já tinha pesquisado antes a respeito e parece que as perspectivas são muito boas para ela. Só que contrariando os princípios do INI, é empresa nova, sem histórico, pré-operacional, etc…

Mas as vezes fico tentado a “ousar” um pouco mais pra tentar rentabilizar e potencializar os ganhos, mas daí os riscos tbém são maiores.

Por isso gostaria de saber se tem alguma opinião a respeito da mesma, pois vc sempre me mostra uma visão mais sensata e “com pés no chão”.

Abraço, Fabiano

Oi Fabiano,
Dei uma olhada na apresentação da HRT de Dezembro na APIMEC.
Parece um ótimo projeto, principalmente por fugir das áreas badaladas.
Petróleo on shore no Brasil promete e no pré-sal africano também.
Há alguns pontos a considerar:
– Petróleo em 10, 20, 30 anos? Lembro que após o segundo oil shock o óleo caiu por 20 anos, só voltou aos patamares do fim da década de 1970 recentemente.
– Esse dinheiro do IPO dá mesmo para todo o investimento necessário, ou veremos a diluição com a entrada de novos sócios?
– Quem são os sócios? Pelo que li tem gente que foi da ANP na jogada.

O pior para mim é o preço. Pelo que vi só é possível comprar lotes de 100, o que levaria o inevstimento mínimo a R$ 160 mil. Infelizmente, com esse valor, não deixaria ela “pequena” o suficiente no meu portfolio como deveriam ser as apostas de alto risco.

Abraço,
Portinho

É verdade, a questão do preço é o grande problema! Mesmo que tenha essa quantia, o risco é grande devido a concentração na carteira.

Por outro lado, se o projeto der certo, e o preço do barril ajudar, o retorno será grande, já que o capital nela tbém é considerável.

Ainda continuo achando que pra enriquecer na bolsa, melhor pensar mesmo no longo prazo, querer encontrar a galinha dos ovos de ouro pode não ser nada seguro.

Grande abraço,

Olá Portinho,

Me diz uma coisa, quando ocorre um aumento de capital como ocorreu com a Petrobrás, ou até mesmo a bonificação de 100% que ocorreu com a POMO4, como fica por exemplo, os dados históricos da TIB? Eles são ajustados em relação ao novo números de ações?

O LPA por exemplo, é válido eu querer comparar o LPA de 2005 com o de 2010 para verificar seu crescimento?

Grato,

Fabiano

Oi Fabiano,
No caso da POMO os valores históricos são ajustados diretamente. No caso da Petrobras, não houve ajuste EX por parte da bolsa, pois foi aporte de capital novo. Não há ajuste. Isso bagunça um pouco o método. Quem tem alguma experiência sabe contornar esse problema.
Outra empresa que ficou com a análise pelo método comprometida foi a EQUATORIAL, pois ela fez uma cisão e deu ações da EQTL e da RDTR para os acionistas.
O ajuste é muito impreciso, pois a cisão é feita por valor patrimonial.

Fundamental esse tipo de explicação. Blogs existem aos montes… alguns poucos fazem a diferença!!

Nobre Eduardo,
Agradeço pelas generosas palavras!
Abs,
Paulo Portinho


Where's The Comment Form?

  • Disclaimer

    Este blog é um ambiente privado para expor opiniões, estudos, reflexões e comentários sobre assuntos ligados a finanças, bolsa de valores, economia, política, música, humor e outros temas.

    Seus objetivos são educacionais ou recreativos, não configurando sob nenhuma hipótese recomendação de investimento.

    O investidor consciente deve tomar decisões com base em suas próprias crenças e premissas. Tudo que lê ou ouve pode ser levado em consideração, mas a decisão de investimento é sempre pessoal. Tanto na escolha de ações para carteira própria, quanto na escolha de gestores profissionais para terceirização da gestão.

    O Autor espera que os temas educacionais do blog possam ajudar no desenvolvimento e no entendimento das nuances do mercado de ações, mas reitera que a responsabilidade pela decisão de investimento é sempre do próprio investidor.

    Sejam bem vindos!

  • Paulo Portinho

    PAULO PORTINHO, engenheiro com mestrado em administração de empresas pela PUC-Rio, é autor do Manual Técnico sobre o Método INI de Investimento em Ações, do livro "O Mercado de Ações em 25 Episódios" e do livro "Quanto Custa Ficar Rico?", os dois últimos pela editora Campus Elsevier.

    Paulo atuou como professor na Pós-graduação de Gestão Social da Universidade Castelo Branco e na Pós-graduação oferecida pela ANBIMA de Capacitação para o Mercado Financeiro.

    Atuou como professor da área de finanças e marketing na Universidade Castelo Branco e no curso de formação de agentes autônomos do SINDICOR.

    Como executivo do Instituto Nacional de Investidores - INI (www.ini.org.br) entre 2003 e 2012, ministrou mais de 500 palestras e cursos sobre o mercado de ações, sendo responsável pelo desenvolvimento do curso sobre o Método INI de Investimento em Ações, conteúdo que havia chegado a mais de 15.000 investidores em todo o país, até o ano de 2012.

    Representou o INI nas reuniões conjuntas de conselho da Federação Mundial de Investidores (www.wfic.org) e da Euroshareholders (www.euroshareholders.org), organizações que congregam quase 1 milhão de investidores em 22 países.

    Atuou como articulista do Informativo do INI, do Blog do INI, da revista Razão de Investir, da revista Investmais, do Jornal Corporativo e do site acionista.com.br. Foi fonte regular para assuntos de educação financeira de veículos como Conta Corrente (Globo News), Infomoney, Programa Sem Censura, Folha de São Paulo, Jornal O Globo, entre outros.

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...

%d blogueiros gostam disto: