Quick Update – AES Tietê Resultados 2T10

Posted on 13/08/2010. Filed under: Finanças |

Relatório completo no link a seguir

Release de Resultados 2T10 AES Tietê

Quick Update

Introdução

A AES Tietê, daqui por diante tratada como GETI, é uma geradora de Energia com quase a totalidade de seus negócios e receitas no Estado de São Paulo.

a GETI é uma tradicional “ação de viúva” com P/L (preço/lucro) mais baixo do que outras como a CPFL e a Souza Cruz, provavelmente por conta das severas restrições para o crescimento da GETI e da dependência quase integral do contrato bilateral com a Eletropaulo.

O valor de mercado da GETI está em R$ 7,1 bi e seu lucro acumulado nos últimos 4 trimestres (de 3T09 a 2T10) é de R$ 776 milhões, indicando um P/L de 9,16. Para uma empresa que distribui 100% do lucro, isso também sugere que o Dividend Yield (retorno com dividendos) deve chegar a algo como 11% ao ano.

Como “ação de viúva”, oferece grande retorno em dinheiro, mas baixa expectativa de crescimento. A maioria das receitas da GETI tem seu crescimento atrelado ao IGP-M, o que agrada o rentista que quer dividendos altos e proteção contra a perda de poder aquisitivo causada pela inflação.

Quedas em praticamente todos os fundamentos

Dada a expectativa de expansão do consumo de energia no país, os resultados do primeiro SEMESTRE da GETI foram um pouco decepcionantes. Os números foram similares aos encontrados no primeiro semestre de 2009, quando o Brasil estava retomando o crescimento.

Houve alguns eventos não recorrentes que não impactaram significativamente os resultados, portanto não podem ser considerados como causa provável para a estagnação nos fundamentos.

Pelas explicações, extremamente claras, da companhia no release, não seria prudente esperar recordes nos próximos trimestres. É possível que a GETI viva um ano de manutenção de lucro e receita. Tudo vai depender da continuidade do aquecimento da economia brasileira.

Alguns eventos positivos

A principal notícia positiva do release foi o pagamento antecipado de uma dívida caríssima e curta (2013) com a Eletrobrás (IGP-M + 10% ao ano) para uma “menos cara” e “menos curta”, que são as obrigações com as debêntures emitidas pela companhia (CDI + 1,2% ao ano e vencimento em 2015).

O valor do principal contrato da GETI, com a distribuidora Eletropaulo, foi reajustado em 5,17%, IGP-M do período. Esse contrato representa quase a totalidade das receitas da companhia.

Um evento bem complicado…

A GETI e a Eletropaulo tentaram estender o prazo de vencimento do contrato bilateral, principal fonte de receita da companhia, de 2015 para 2028, o que foi negado pela ANEEL.

Ambas as companhias acabaram de desistir do recurso, pois a chance de vitória era pequena e a chance da decisão sair antes de 2015 menor ainda.

Como esse contrato responde por mais de 90% das receitas da companhia, é algo que precisa ser trabalhado com muita transparência, pois o modelo de negócios da GETI, até então confortável, vai ter que buscar mais risco e mais participação em outros mercados.

Há tempo, e a AGE convocada para 24/08 deverá indicar os caminhos que a companhia vai começar a adotar.

A GETI no mercado de ações e no nosso clube

Uma pessoa que tem GETI, comumente tem 2 motivos básicos:

– Vive de dividendos e espera que a empresa cresça, ao menos, na mesma proporção da inflação e da economia.
– Proteção de carteira de ações, pois a empresa oscila muito menos do que o índice (Beta = 0,33)

Para o sujeito que precisa da renda com dividendos, mas não pode permitir que esse fluxo caia ou suba menos do que a inflação (para garantir o poder de compra), o acompanhamento de todas as decisões da companhia, com relação a essa provável mudança no mix de clientes da GETI é obrigatório.

Não poderá abrir mão desse acompanhamento, pois afetará diretamente sua renda provável. Não é nada “pra ontem”, mas vai requerer bastante atenção.

Nós utilizamos GETI como uma alternativa à renda fixa. Nosso clube é pequeno demais para comprar títulos públicos com o dinheiro que fica disponível.

O efeito esperado de alocar parte do recurso livre em GETI, dado que não temos alternativa no Tesouro Direto, é proteger o clube de eventos agudos, como a bolsa desabar ou disparar.

Em ambos os casos, pelo índice beta da companhia, espera-se que ela cresça menos, em caso de disparada, mas perca bem menos em caso de queda forte do índice.

Para esse fim, não é tão relevante o evento comentado acima. Mesmo assim, o resultado da AGE será monitorado de perto.

Anúncios

Make a Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Disclaimer

    Este blog é um ambiente privado para expor opiniões, estudos, reflexões e comentários sobre assuntos ligados a finanças, bolsa de valores, economia, política, música, humor e outros temas.

    Seus objetivos são educacionais ou recreativos, não configurando sob nenhuma hipótese recomendação de investimento.

    O investidor consciente deve tomar decisões com base em suas próprias crenças e premissas. Tudo que lê ou ouve pode ser levado em consideração, mas a decisão de investimento é sempre pessoal. Tanto na escolha de ações para carteira própria, quanto na escolha de gestores profissionais para terceirização da gestão.

    O Autor espera que os temas educacionais do blog possam ajudar no desenvolvimento e no entendimento das nuances do mercado de ações, mas reitera que a responsabilidade pela decisão de investimento é sempre do próprio investidor.

    Sejam bem vindos!

  • Paulo Portinho

    PAULO PORTINHO, engenheiro com mestrado em administração de empresas pela PUC-Rio, é autor do Manual Técnico sobre o Método INI de Investimento em Ações, do livro "O Mercado de Ações em 25 Episódios" e do livro "Quanto Custa Ficar Rico?", os dois últimos pela editora Campus Elsevier.

    Paulo atuou como professor na Pós-graduação de Gestão Social da Universidade Castelo Branco e na Pós-graduação oferecida pela ANBIMA de Capacitação para o Mercado Financeiro.

    Atuou como professor da área de finanças e marketing na Universidade Castelo Branco e no curso de formação de agentes autônomos do SINDICOR.

    Como executivo do Instituto Nacional de Investidores - INI (www.ini.org.br) entre 2003 e 2012, ministrou mais de 500 palestras e cursos sobre o mercado de ações, sendo responsável pelo desenvolvimento do curso sobre o Método INI de Investimento em Ações, conteúdo que havia chegado a mais de 15.000 investidores em todo o país, até o ano de 2012.

    Representou o INI nas reuniões conjuntas de conselho da Federação Mundial de Investidores (www.wfic.org) e da Euroshareholders (www.euroshareholders.org), organizações que congregam quase 1 milhão de investidores em 22 países.

    Atuou como articulista do Informativo do INI, do Blog do INI, da revista Razão de Investir, da revista Investmais, do Jornal Corporativo e do site acionista.com.br. Foi fonte regular para assuntos de educação financeira de veículos como Conta Corrente (Globo News), Infomoney, Programa Sem Censura, Folha de São Paulo, Jornal O Globo, entre outros.

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...

%d blogueiros gostam disto: