Jeannie é um gênio!

Posted on 14/10/2008. Filed under: Finanças, Humor, Política |

O caso Petrobras x Petrosal está animado.
 
As maiores batatadas são ditas, em nome do “povo brasileiro”, para salvar a “educação nesse país”.
 
Lula, minha Jeannie, acaba de descobrir a pólvora. Todas as soluções virão do pré-sal, a educação será de primeiro mundo por causa do pré-sal.
 
E eu que achava que tinham descoberto petróleo, mas pelo jeito deve ter uma reserva gigante de professores qualificados no pré-sal…
 
Bom, um dos problemas de não estudar é se surpreender e se animar com coisas que, qualquer um que tenha lido sobre a história de países produtores de petróleo sabe que nada têm de animadoras ou promissoras.
 
Ao contrário, são uma bela armadilha.
 
Aliás, quem tem a humildade de “não-saber”, costuma ter o hábito de “estudar” aquilo que não domina, para não ficar dizendo obviedades que já se mostraram imprecisas ou estúpidas dentro do processo histórico.
 
Da Série “E se…”:
 
1. O pedágio de Belzebu.
 
No filme “Sangue Negro”, Daniel Day Lewis faz o papel de um magnata do Petróleo. Ele descobre petróleo em uma região dos EUA e compra todas as terras em volta, menos as de uma fazenda central. O dono, por motivos pessoais, não quis vender.
 
Anos mais tarde, quando esse mesmo dono morreu, seu filho foi correndo vender as terras para Day Lewis.
 
O protagonista afirmou: “Meu filho, tudo isso aqui é um campo único de petróleo, eu suguei de todas as outras fazendas, acabando com o óleo daqui, inclusive com o seu. Faça bom proveito de sua fazenda!
 
Se, como se especula (ouvi isso de gente influente), o campo pode se estender até a África, como será que Lula vai respeitar os contratos da Petrobras e de outras, e evitar que suguem dos campos interligados?
 
Vai ter que fazer um pacto com o Tinhoso e criar um pedágio lá no pré-sal. Bom, isso tudo é especulação, pois ninguém sabe, ainda, como tirar o petróleo de lá (dos campos mais profundos, superiores a 7Km).
 
2. A história se repete
 
Ler faz bem!
 
Na última crise do petróleo da década de 70 os países produtores descobriram ter dado um tiro no pé, pois sua falta de articulação mergulhou o mundo numa corrida de redução do consumo.
 
Resultado: O petróleo esteve em queda por 20 anos, só retornando a patamares semelhantes à época anterior ao segundo choque do petróle, nos últimos meses.
 
Petróleo a US$ 60,00, daqui a 2 anos, é possível?
 
Sim, absolutamente sim. Possível é.
 
Bom o pré-sal, nesse caso, pode se revelar o pós-mico. E vamos fazer o quê com a Petrosal?
 
Respostas desaforados, favor enviar para edison.lobao@senado.gov.br.
 
3. A falácia do “Petróleo é nosso”
 
Ai, ai… dá até sono, mas cumpro meu dever de não ouvir idiotices calado.
 
Amigos, sabe quanto Angra dos Reis recebeu só de royalties do petróleo, em 2007? R$ 6,5 bi. Há 10 anos, quase não recebia nada.
 
Pergunto: Angra dos Reis, por acaso, parece a Suécia? Tem o mesmo IDH da Noruega? É rica como a Dinamarca?
 
Melhor: Angra dos Reis é um “modelo de salvação” para educação no país? Para a saúde do país? Para a segurança do país?
 
Bom, nem todos os que estão nesse mail list conhecem Angra, mas devo dizer: Angra dos Reis é, hoje, uma ilhota de mansões cercado por favelas paupérrimas e violentas por todos os lados.
 
Sorte que os favelados ainda não conseguem construir favelas no mar. O dia que descobrirem uma “palafita pré-sal” a vista da Vieira Souto vai ficar igualzinha à de São Conrado…
 
Aliás, não é só Angra, o RJ todo está cercado de favelas, pobreza e violência por todos os lados. Que pena, que pena mesmo, pois vivo aqui e adoro viver aqui.
 
O governo arrecada uma verdadeira fortuna da Petrobras. O RJ tem recebido valores astronômicos de royalties nos últimos anos e só tem piorado. E não é pouco, tem piorado muito e a olhos vistos.
 
Se não quiserem esse exemplo para se sentirem convencidos de que o Petróleo NÃO é nosso MESMO, então fiquem com outros:
 
Venezuela, Bolívia, México, Equador, Nigéria, Arábia Saudita, Irã etc. Todos esses países oferecem severas restrições para o investimento privado, recebem fortunas provenientes do petróleo e são um lixo de IDH.
 
Piores do que as favelas brasileiras (exceto Arábia Saudita, que não conta porque o Sultão tem metade das mulheres do país e isso, em si, já é o máximo da miséria humana).
 
Bom, minha verdadeira visão a respeito disso é bem mais ácida, mas esse nosso blog não é adequado para destilar essas versões. Deixemos na fala mansa e leve…
Anúncios

Make a Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Disclaimer

    Este blog é um ambiente privado para expor opiniões, estudos, reflexões e comentários sobre assuntos ligados a finanças, bolsa de valores, economia, política, música, humor e outros temas.

    Seus objetivos são educacionais ou recreativos, não configurando sob nenhuma hipótese recomendação de investimento.

    O investidor consciente deve tomar decisões com base em suas próprias crenças e premissas. Tudo que lê ou ouve pode ser levado em consideração, mas a decisão de investimento é sempre pessoal. Tanto na escolha de ações para carteira própria, quanto na escolha de gestores profissionais para terceirização da gestão.

    O Autor espera que os temas educacionais do blog possam ajudar no desenvolvimento e no entendimento das nuances do mercado de ações, mas reitera que a responsabilidade pela decisão de investimento é sempre do próprio investidor.

    Sejam bem vindos!

  • Paulo Portinho

    PAULO PORTINHO, engenheiro com mestrado em administração de empresas pela PUC-Rio, é autor do Manual Técnico sobre o Método INI de Investimento em Ações, do livro "O Mercado de Ações em 25 Episódios" e do livro "Quanto Custa Ficar Rico?", os dois últimos pela editora Campus Elsevier.

    Paulo atuou como professor na Pós-graduação de Gestão Social da Universidade Castelo Branco e na Pós-graduação oferecida pela ANBIMA de Capacitação para o Mercado Financeiro.

    Atuou como professor da área de finanças e marketing na Universidade Castelo Branco e no curso de formação de agentes autônomos do SINDICOR.

    Como executivo do Instituto Nacional de Investidores - INI (www.ini.org.br) entre 2003 e 2012, ministrou mais de 500 palestras e cursos sobre o mercado de ações, sendo responsável pelo desenvolvimento do curso sobre o Método INI de Investimento em Ações, conteúdo que havia chegado a mais de 15.000 investidores em todo o país, até o ano de 2012.

    Representou o INI nas reuniões conjuntas de conselho da Federação Mundial de Investidores (www.wfic.org) e da Euroshareholders (www.euroshareholders.org), organizações que congregam quase 1 milhão de investidores em 22 países.

    Atuou como articulista do Informativo do INI, do Blog do INI, da revista Razão de Investir, da revista Investmais, do Jornal Corporativo e do site acionista.com.br. Foi fonte regular para assuntos de educação financeira de veículos como Conta Corrente (Globo News), Infomoney, Programa Sem Censura, Folha de São Paulo, Jornal O Globo, entre outros.

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...

%d blogueiros gostam disto: