Gisele Bundchen e as verdinhas

Posted on 05/11/2007. Filed under: Finanças, Humor |

Nos contratos firmados pela Gisele Bundchen, a modelo exige pagamento em qualquer coisa, MENOS DÓLAR.

Tá achando que eu tô brincando, veja você mesmo:

http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601109&sid=aEpCkdSWhjrg&refer=home

Ai, ai…

A verdinha tá na pior mesmo. Não demora, vira papel higiênico…

Agora falando sério.

Há um item interessante a respeito do dólar que pode ter um desfecho inédito, ou seja, não há registro na história econômica para o que os EUA, sem querer, estão conseguindo aprontar…

Sendo breve:

  1. O dólar cai pelo mesmo motivo que cai o preço de qualquer ativo: mais oferta do que demanda.
  2. Por que o mundo está inundado de dólar? (curiosamente, não percebo isso lá em casa). Simples. Os EUA gastam mais do que arrecadam (para pagar suas guerras). E, também, compram do exterior MUITO MAIS do que vendem. Em resumo, dá um buraco de algo como 1 trilhão de dólares todo ano.
  3. Well, Tio Bush vende títulos do tesouro americano para “financiar” esse déficit. E neguinho compra. Compra forte, principalmente neguinho do olhinho puxado. E vai inundando o mercado de dólares…

O que diz a regra, Arnaldo?

  • A regra é simples, se você quer vender seus títulos de dívida, TEM que oferecer algum retorno (juros) para quem os compra!

Então explica aí, ô mané:

  • Se os EUA precisam que comprem os títulos deles, por que estão baixando os juros?

Gente acredite em mim, isso não faz o MENOR SENTIDO na teoria econômica, pois um país que precisa conter a queda de sua moeda (lembram dos cruzados, cruzeiros novos e narjaras?) NÃO DEVERIA BAIXAR JUROS E SIM SUBIR!!!!

Aí é que vem o ineditismo da coisa.

A pendenga estaria resolvida (no médio prazo) se a China resolvesse valorizar sua moeda para reduzir o superávit que tem com os americanos.

Como a moeda da China está MUITO desvalorizada, o americano está comprando Barbie pelo preço de um grampo de cabelo, ou de um barbantinho-cheiroso.

E como não dá para dizer aos americanos: – Ei! Tá barato, mas não compra não! -, os filhos do mayflower continuam se empanturrando de pipoqueiras abdominais e brinquedos com agrotóxicos.

Tio Bush está preocupado, mas quando Tio Bush pede ao Xing Ling para valorizar sua moeda, recebe um “NÔ”.

Sempre assim.

A queda nos juros dos EUA pode ser a única saída para fazer a China pagar por manter sua moeda tão desvalorizada.

Explico:

A China é DISPARADA, a maior compradora de títulos americanos. Está sentada em mais de um trilhão dessas verdinhas que só perdem valor.

O que os EUA fazem? Ora, vamos deixar a moeda americana se desvalorizar frente a todas as moedas do mundo.

Isso seria ruim para os EUA?

Sim e não, mas mais não do que sim.

Por um lado ele ganha enorme competitividade contra todos os outros países, pois seus produtos ficam mais baratos, essa é a parte boa. (ai, minhas guitarras…)

A parte ruim é que os americanos perdem poder aquisitivo em relação a outros países.

O problema é que os americanos NÃO PERDEM poder aquisitivo (relevante) frente à China, pois essa mantém o yuan fraco, artificialmente.

Em resumo, os americanos destroem o valor de sua moeda, vendem mais ao exterior, pois seus produtos ficam mais baratos para quem compra em R$ ou Euros, MAS NÃO PERDE PODER DE COMPRA de produtos chineses!!!!!!!!

E dá-lhe Barbie!

Quem perde com essa brincadeira?

A China, que está sentada em cima de uma montanha de dólares, que perdem 20% do valor a cada ano.

Aí você diz: É só a China torrar seus títulos americanos no mercado secundário. Daí se livra do mico!

Menino, que coisa feia! Vou explicar de novo:

Se a China colocar à venda, por hipótese, 500 bi de dólares, não haverá comprador (veja a Gisele Bundchen!).

E o que acontece com um treco que você quer vender, mas que ninguém que comprar?

O valor desaba. Imagine o dólar valendo, de novo, R$ 0,87?

Aí amiguinho, os “miricanu” vão virar “mixicanu” de um dia para o outro! E não vai ter mais como comprar as Barbies, nem o grampo de cabelo e nem o barbantinho cheiroso…

Vai para a pindaíba, para o bululéo da Quiófa.

Isso significa que: A CHINA NÃO PODE torrar seus títulos americanos, sob o risco de implodir a própria economia que vive, majoritariamente, de vender aos EUA.

No que vai dar isso tudo?

Sei lá…

Mas não é sensacional?

Anúncios

Make a Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Disclaimer

    Este blog é um ambiente privado para expor opiniões, estudos, reflexões e comentários sobre assuntos ligados a finanças, bolsa de valores, economia, política, música, humor e outros temas.

    Seus objetivos são educacionais ou recreativos, não configurando sob nenhuma hipótese recomendação de investimento.

    O investidor consciente deve tomar decisões com base em suas próprias crenças e premissas. Tudo que lê ou ouve pode ser levado em consideração, mas a decisão de investimento é sempre pessoal. Tanto na escolha de ações para carteira própria, quanto na escolha de gestores profissionais para terceirização da gestão.

    O Autor espera que os temas educacionais do blog possam ajudar no desenvolvimento e no entendimento das nuances do mercado de ações, mas reitera que a responsabilidade pela decisão de investimento é sempre do próprio investidor.

    Sejam bem vindos!

  • Paulo Portinho

    PAULO PORTINHO, engenheiro com mestrado em administração de empresas pela PUC-Rio, é autor do Manual Técnico sobre o Método INI de Investimento em Ações, do livro "O Mercado de Ações em 25 Episódios" e do livro "Quanto Custa Ficar Rico?", os dois últimos pela editora Campus Elsevier.

    Paulo atuou como professor na Pós-graduação de Gestão Social da Universidade Castelo Branco e na Pós-graduação oferecida pela ANBIMA de Capacitação para o Mercado Financeiro.

    Atuou como professor da área de finanças e marketing na Universidade Castelo Branco e no curso de formação de agentes autônomos do SINDICOR.

    Como executivo do Instituto Nacional de Investidores - INI (www.ini.org.br) entre 2003 e 2012, ministrou mais de 500 palestras e cursos sobre o mercado de ações, sendo responsável pelo desenvolvimento do curso sobre o Método INI de Investimento em Ações, conteúdo que havia chegado a mais de 15.000 investidores em todo o país, até o ano de 2012.

    Representou o INI nas reuniões conjuntas de conselho da Federação Mundial de Investidores (www.wfic.org) e da Euroshareholders (www.euroshareholders.org), organizações que congregam quase 1 milhão de investidores em 22 países.

    Atuou como articulista do Informativo do INI, do Blog do INI, da revista Razão de Investir, da revista Investmais, do Jornal Corporativo e do site acionista.com.br. Foi fonte regular para assuntos de educação financeira de veículos como Conta Corrente (Globo News), Infomoney, Programa Sem Censura, Folha de São Paulo, Jornal O Globo, entre outros.

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...

%d blogueiros gostam disto: